Filmes Início Quadrinhos

VENOM – [CRÍTICA]

Antes de iniciar a crítica, faz-se aqui uma observação: os pontos da história aqui observados não serão comparados com os fatos retratados nos quadrinhos da Marvel.

O filme conta a história de Eddie Brock (Tom Hardy), um jornalista que passa por uma transformação radical após ter contato com um ‘’parasita’’ gosmento preto que usa seu corpo como hospedeiro. Essa criatura, conhecida como Venom, tem sede de sangue e poder, e vai usar qualquer corpo como vetor para concluir seu plano.

Primeiramente, é importante destacar o fato de que o filme possui dois protagonistas – o repórter Eddie Brock e a criatura Venom.  A história acerta em cheio ao fazer um paralelo entre o desenvolvimento pessoal de cada um. O primeiro ato se preocupa exatamente com isso. O público conhece um pouco da personalidade de Eddie Brock e a história do vilão Venom, que chega por acidente na Terra, demonstrando toda sua letalidade.

No desenvolvimento da história, alguns pontos cruciais deixam a desejar. A praticidade da maldade do vilão traduzida em cenas de luta nas ruas ou cenas de perseguição são deixadas para o final do filme, o que frustra as expectativas do público quanto aos aspectos essenciais que um bom filme de super-herói deveria oferecer.

Ainda sobre os dois protagonistas, a ligação que se estabelece entre o homem e o parasita é inédita. Não há nenhuma alteração de personalidade do repórter. Quando Eddie Brock está dominado por Venom, ele ainda é Eddie Brock. Isso pode até ser considerada uma afirmação tendenciosa, mas a representação do personagem pelos estúdios cinematográficos da Marvel é possivelmente mais fiel aos quadrinhos do que a interpretação de Topher Grace em ‘’Spider-Man 3’’, filme de 2007.

Alguns talentos do filme são desperdiçados, como Michelle Williams, atriz premiada por ‘’Manchester By the Sea’’ (2016), que tem um peso considerável para a história, mas o trabalho é fraco e não convincente. O ator Riz Ahmed, que interpreta o vilão Carlton Drake, também deixa a desejar em sua atuação. O personagem que tem grande relevância para a narrativa do longa não atinge o esperado pelos espectadores. As características essenciais do antagonista são menosprezadas e é visto como um papel sem vida para a história.

Os efeitos visuais, por outro lado, salvam o filme. O CGI de Venom é bem elaborado, e as cenas onde este interage com os atores dá gosto de assistir.

Venom é uma produção feita exclusivamente para os fãs. Não tem o objetivo de se tornar um sucesso comercial, mas sim em cumprir o papel de contar a história exclusiva de mais um personagem do Universo Marvel. O desenvolvimento de Eddie e Venom é bem elaborado, mas não tão bem exprimido. O filme ainda passa por uns problemas de tom – ora cai no romance, ora no suspense – até encontrar seu padrão definitivo e prosseguir com a história.